Rejuvelhecer

Berlim, terça-feira, quinze de julho: os vitoriosos jogadores alemães comemoram em palco aberto como adolescentes, cantando musiquinhas infantis e inclusive racistas. A multidão os ovaciona. Rio de Janeiro, mesma data: quatro senhores por volta dos seus cinquenta anos, caminhando juntos pela Nossa Senhora de Copacabana, todos sem camisa, musculosos como garotos de dezessete, cada um deles carregando um skate. Os garotões da terceira idade arrasam em sua promenade carioca. São Paulo, mesmo dia: cento e vinte colaboradores – adultos – da maior empresa de buscas na internet confraternizam em uma piscina de bolinhas coloridas. Grande alegria.

Poderíamos desconsiderar os exemplos acima e ainda assim realizarmos que o investimento na adolescência é um dos maiores objetos de consumo da nossa época. Pouco importa não ser mais adolescente, ou não sê-lo há muito tempo, o que interessa é insistir na adolescência como se ela fosse a única época digna da vida. É quase vergonhoso estar de fora dela. Academias de musculação, bem como clínicas de cirurgia plástica e de aplicação de Botox, são as novas fontes da juventude onde se busca ou permanência ou o retorno à época dourada que antecede a vida adulta. A felicidade, hoje, pede aparência e atitude juvenis.

Que prazer encontram os não mais adolescentes na imitação da adolescência? Qualquer resposta deve atentar para a periferia da maturidade. Platão já dizia que o jovem não reconhece o superior, somente o imita, porquanto não tem conhecimento da realidade, mas só de suas aparências. Logo, seguindo na lógica do filósofo, imitar a um adolescente é nada mais que imitar a uma imitação, ou seja, aparentar uma aparência. Onde estaria o prazer disso? Possivelmente na tentativa de esquecimento de algo que é constituinte absoluto do ser humano, isto é, a consciência da própria morte.

Por conseguinte, a que desejo fundamental o contemporâneo desejo de juventude eterna atende? Segundo Platão, o jovem é guiado por desejos que vêm de fora dele, mas que atendem a desejos que ele tem dentro de si, só que ainda reconhecidos. Aquele que deseja ser jovem novamente – ou eternamente -, portanto, deseja alienar-se dos seus próprios desejos e ser guiado por outros que não os seus; embora acredite sintomaticamente que o seu desejo é simplesmente o de ser jovem. Contudo, qual o gozo que a ignorância dos próprios desejos pode trazer? Que desejos que não os nossos prometeriam mais realização?

O adolescente tem na possibilidade de irrealização dos seus sonhos e esperanças o seu maior fantasma, e salvaguardá-los da derrota é uma estratégia promissora. Portanto, investir em desejos outros que não os seus lhes garante não fracassar naqueles que são os mais importantes, a saber, os seus. Platão colocou que a esperança do jovem não demora a bagunçá-lo, então ele prefere alienar-se dela a persegui-la. Um adulto, ao agir como um adolescente, embora acreditando que é a um corpo viçoso a alguns hábitos impertinentes o que ele realmente deseja, na verdade, está buscando proteção àquilo de mais caro a ele mesmo, ou seja, os seus próprios desejos – que, como todos os outros, pode ser que não se realizem.

Porém, a vida adulta, e mais ainda a velhice, são as fases da vida onde se enfrenta corajosamente a angústia da frustração que, em verdade, nunca deixou de nos acompanhar. “Há um inimigo maior ao homem do que a mudança, e esse inimigo é ele mesmo”, disse Platão; por conseguinte, fugir da arena da maturidade na transitoriedade inconstante da ágora é possível – ainda mais com a tecnocosmética atual -. Mas em que sentido isso aniquila o principal fantasma que é o de não realizarmos nossos próprios desejos? Ainda assim, mesmo que não os realizemos, novos prazeres sempre sucedem aos velhos, e é justamente isso que o jovem ainda não sabe, visto que ele só teve os primeiros.

Platão afirmou sabiamente que “Chegará um tempo no qual a frase ‘eu não tenho o direito de fazer o que eu quiser comigo mesmo?’ parecerá uma relíquia bárbara do individualismo”. Talvez tenha chegado esse tempo, pois o investimento na juventude eterna, além de ser uma quimera que em nada agrega valor ao produto, é a absoluta impertinência do sujeito em relação à Natureza. Somente um hedonismo ignorante e decadente pode acreditar na permanência artificial do que é verdadeiramente transitório. Nesse sentido, a propriedade da juventude pode ajudar o bárbaro em batalha, pois “O jovem é incapaz de entender o que é alegórico e o que é literal”, disse o pensador grego.

“O conceito de felicidade, para a juventude, é apropriar o todo a ela mesma” escreveu Platão. Podemos intuir a partir daí que a felicidade para um adulto, ou para um velho, deve ser a madura e assertiva apropriação de si mesmos ao todo, à Natureza, à plena existência compreendida no universo para além das suas fases iniciais. O vigor adolescente é sedutor, não resta dúvida, pois tem ímpetos de destruir regras e princípios, como a musiquinha racista entoada despojadamente pelos campeões da copa do mundo; embora esse vigor ainda não tenha nada melhor para colocar no lugar daquilo que destrói.

É preciso desacreditar de que a boa vida só acontece sob peles viçosas, em torno de músculos e rituais juvenis. Desejar o eterno retorno à adolescência, ou seja, à época em que mais se experimenta inadequação, é somente o sintoma da eterna inadequação que nos espreita atrás de cada nova idade, de cada nova fase da vida, de cada mudança do corpo. Deixar de ser adolescente é vencer tal sentimento e ao mesmo tempo tirar proveito dele. Do contrário, acaba-se como aqueles velhos skatistas sarados de Copacabana, “rejuvelhecendo” constantemente até morrer sem saber o que é a velhice, enfastiados com a repetição imatura de uma juventude perdida.

#envelhecer
#juventude
#adolescência
#adulto
#velho
#plástica
#botox
#aparência
#desejo
#felicidade
#natureza
#platão
#filosofia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s